Barômetros Econômicos Globais refletem corrida entre avanço da pandemia e programas de imunização

O Barômetro Coincidente sobe com menor intensidade do que no mês anterior enquanto o Barômetro Antecedente recua e se aproxima do nível de neutralidade

Barômetros Econômicos Globais refletem corrida entre avanço da pandemia e programas de imunização

Os resultados do Barômetros Globais da Economia refletem, em fevereiro, as dúvidas com relação à velocidade possível de recuperação da economia mundial no primeiro semestre de 2021 e uma grande heterogeneidade entre as regiões. O Barômetro Coincidente sobe com menor intensidade do que no mês anterior enquanto o Barômetro Antecedente recua e se aproxima do nível de neutralidade. 

O Barômetro Global Coincidente sobe 1,3 ponto em fevereiro, de 96,3 pontos para 97,6 pontos. O Barômetro Global Antecedente cai 6,9 pontos, para 104,1 pontos. No horizonte Coincidente, apenas a região da Ásia, Pacífico & África evolui favoravelmente, enquanto as regiões da Europa e Hemisfério Ocidental contribuem de forma negativa para o resultado. No Barômetro Antecedente, o Hemisfério Ocidental caminhou na contramão das demais regiões e contribui de forma ligeiramente positiva para o resultado agregado. 

“Apesar do resultado positivo vindo da região da Ásia, Pacífico e África, nas demais regiões o avanço da pandemia acarretou o endurecimento das condições de isolamento social e, em consequência, da desaceleração de suas contribuições para o Barômetro Coincidente. Em termos dos setores, as variações positivas de curto prazo decorrem da baixa base de comparação enquanto a indústria, que vinha recuperando em maior intensidade, voltou a registrar variação negativa na margem. Todos os setores e regiões, excetuando o Hemisfério Ocidental, contribuíram negativamente para o Barômetro Antecedente, evidenciando os desafios para que o processo de imunização cumpra seu objetivo dentro do horizonte de planejamento dos próximos meses”, avalia Paulo Picchetti, pesquisador do FGV IBRE.

Barômetro Coincidente – regiões e setores

A região da Ásia, Pacífico & África contribui em 2,1 pontos para a alta do Barômetro Global Coincidente em fevereiro, enquanto o Hemisfério Ocidental e a Europa contribuem negativamente em 0,5 e 0,3 ponto, respectivamente. As dificuldades encontradas nas campanhas de imunização ocorrendo em paralelo à chegada de mutações ainda mais infecciosas da Covid-19 podem ter influenciado no resultado das duas últimas regiões. O gráfico no press release ilustra a contribuição de cada região para a distância do Barômetro Coincidente em relação ao nível médio histórico de 100 pontos. 

Entre os cinco setores da pesquisa, os setores do Comércio, Serviços e o conjunto de variáveis que refletem a evolução das economias em nível agregado (Desenvolvimento Econômico Geral) contribuíram positivamente para o resultado, enquanto os demais setores caminharam em sentido oposto. A maior contribuição positiva veio do Comércio e a maior contribuição negativa, da Indústria.

Barômetro Antecedente – regiões e setores

O Barômetro Antecedente Global antecipa os ciclos das taxas de crescimento mundial em três a seis meses. Em fevereiro, a região da Ásia, Pacífico & África foi responsável por 70% da queda do indicador agregado, seguida da Europa, que contribui negativamente com 2,2 pontos, ou 32%. Os resultados refletem as incertezas sobre a velocidade de recuperação dos países frente ao desafio da imunização global e controle da pandemia. O Hemisfério Ocidental contribui em sentido oposto ao das demais regiões, agora de forma ligeiramente positiva no mês. 

Todos os Barômetros Antecedentes Setoriais recuaram no mês. O conjunto de variáveis que refletem a evolução das economias em nível agregado (Desenvolvimento Econômico Geral) e a Indústria continuam sendo os setores mais otimistas (com 111,1 e 110,0 pts., respectivamente), apesar de este último ter registrado a maior queda entre os setores no mês. O segundo maior recuo entre os Barômetros Setoriais veio do setor de Serviços, que ainda não conseguiu recuperar as perdas com a pandemia.

Em fevereiro, todos os Barômetros Antecedentes setoriais contribuíram negativamente para o resultado agregado. A Indústria contribui com 4,6 pontos para a queda do indicador geral. Os demais setores contribuíram entre 0,2 e 0,8 ponto para o resultado agregado.

O estudo completo está disponível no site.

Fonte: portal.fgv.br

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

Posts Recentes

 Ver tudo   

Institucional
ISBE FGV

FGV e ITA assinam parceria de cooperação

O objetivo é desenvolver pesquisas científicas, aplicar conhecimentos de forma integrada e realizar projetos no campo das ciências sociais, econômicas, matemática em tecnologias de processo

Leia mais »