Especialistas debatem transformação da educação em meio à pandemia de COVID-19

Para o professor Oscar Vilhena, a primeira coisa que chama a atenção durante a crise é a resiliência e capacidade de adaptação.No entanto, ele alerta que os esforços têm que ser redobrados em um país como o Brasil, uma vez que a desigualdade social tornará a crise de saúde pública muito mais aguda e dramática para os mais pobres

Especialistas debatem transformação da educação em meio à pandemia de COVID-19

A Escola de Direito de São Paulo (FGV Direito SP) promoveu e disponibilizou, em 27 de março, o Webinar Educação: Reconstruindo caminhos, aprendendo com as adversidades. O debate contou com mediação de Marina Feferbaum, coordenadora do Centro de Ensino e Pesquisa em Inovação (CEPI) e participação de Oscar Vilhena Vieira, diretor da FGV Direito SP, a psicanalista Heloísa Ditolvo e José Garcez Ghirardi, professor associado e responsável pelo Programa de Formação Docente no Mestrado/Doutorado da FGV Direito SP.

Segundo Marina Feferbaum, o webinar foi estruturado para responder a angústias da comunidade FGV Direito SP e público externo advindas da crise do Coronavírus, tais como o futuro, sociabilidade, medo da morte, educação e outros assuntos contemporâneos.

Para o professor Oscar Vilhena, a primeira coisa que chama a atenção durante a crise é a resiliência e capacidade de adaptação. “O mais importante foi que a sociedade vem se conformando aos direcionamentos propostos pelas ciências, que atualmente passavam por uma fase de descrédito”. Ainda segundo o professor, as autoridades que refutaram a ciência foram obrigadas a voltar atrás. Aquelas que usaram de seu poder institucional para reforçar a prudência e racionalidade foram fortalecidas.

No entanto, Vilhena alerta que os esforços têm que ser redobrados em um país como o Brasil, uma vez que a desigualdade social tornará a crise de saúde pública muito mais aguda e dramática para os mais pobres, pois nos momentos de crise os problemas de uma sociedade, escamoteados durante a normalidade, afloram de maneira mais contundente. “Manifestações como a de Emanuel Macron, na França, considerando os valores do Estado de bem estar social, são importantes, pois são valores incomensuráveis e não apenas custos. E colocá-los simplesmente sob as forças de mercado é uma irresponsabilidade”, disse.

A psicanalista Heloisa Ditolvo defende que a crise advinda do novo Coronavírus irá abrir possibilidades de diálogos e momentos de conversa.

“Nós estamos enfrentando medos, insegurança, ansiedade, pânico e ameaças de colapso externos e internos justamente porque estamos tendo que lidar com sentimentos muito primitivos, como, por exemplo, o sentimento de medo da morte. E essa situação nos coloca na ordem do traumático, que nos impossibilita o momento da elaboração”, explica.

Para a psicanalista, uma forma de enfrentar esses sentimentos surgidos com a quarentena é fazer um corte para que tudo convirja para dentro de casa.

“Por isso, as redes sociais entram agora como instrumento essencial, mas sua forma de uso vai mudar: ao invés de registrar os grandes feitos, grandes conquistas, grandes viagens, as redes sociais agora serão usadas para se importar com o outro, para criar outros tipos de ajuda, para pedir apoio do outro.”

Esse movimento, na opinião de Heloisa, terá como consequência o aumento da empatia. “O solovanco que o novo coronavírus está promovendo nos fortalecerá, apesar dos arranhões e marcas, e nos tornará humanos melhores”, acredita.

Em sua participação no webinar, o professor José Garcez Ghirardi partiu do pressuposto de que a a rotina foi alterada e, quando a rotina é rompida com a gravidade que está sendo agora, as pessoas não sabem como agir. “Esse rompimento da rotina é tudo, menos banal”, afirmou.

No campo da educação, o impacto do rompimento da rotina é a mudança de espaço. “De repente, nos vemos todos domésticos. Isso nos perturba um pouco porque nós construímos nossa personalidade entre a separação entre o papel profissional e o papel pessoal ou afetivo”, disse.

O segundo ponto de impacto é que o sair de casa faz as pessoas terem contatos não planejados. “Você tem que lidar com uma alteridade que você não controla complemente. E essa alteridade é importante para nós. A crise nos afasta do ambiente físico da universidade e nos impede duas coisas: não estamos mais no espaço público, ‘produtivo’, e não temos mais o contato inesperado com o outro. Essa mesma mudança ocorre também no tempo e isso causa uma grande angústia nas pessoas, porque passa a dar a elas a responsabilidade por essa fusão”, explica Garcez.

No entanto, a crise do Coronavírus, segundo o professor, representa uma oportunidade de aprendizado no meio acadêmico. As bases de representação da nossa atuação foram abaladas, diz o professor, mas estão nos forçando a enfrentar uma transformação tecnológica que já estava na sociedade. “Essa crise parece que impulsionou, ao ponto de irreversibilidade, a necessidade de enfrentar o fato de que tivemos uma transformação profunda nos modos de produção e que nossos profissionais vão ter que aprender a atuar neste espaço”, conclui Garcez.

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

Posts Recentes

 Ver tudo