História da filosofia é debatida em nova obra sobre Spinoza

O livro é permeado não só pelas sutilezas do conhecimento que disseca e divulga, mas também por uma sofisticação de linguagem essencial à consecução dos seus objetivos, contendo uma abordagem original ao pensamento de Spinoza.

História da filosofia é debatida em nova obra sobre Spinoza

Publicada pela primeira vez em 1968 e reeditada em 1988 pela Éditions de Minuit de Paris, a obra “Indivíduo e comunidade em Spinoza” de Matheron, chega em português ao público brasileiro pela FGV Editora, com tradução da engenheira Martha de Aratanha e dos professores Baptiste Grasset e Emanuel Rocha Fragoso. O livro é permeado não só pelas sutilezas do conhecimento que disseca e divulga, mas também por uma sofisticação de linguagem essencial à consecução dos seus objetivos, contendo uma abordagem original ao pensamento de Spinoza.

O autor alicerça-se num paradoxo, pois pretende atender aos mais exigentes parâmetros objetivistas e racionalistas da disciplina austera à qual pertence: a História da Filosofia. No entanto, a esses parâmetros Matheron acrescenta outros, cujo objetivismo e cujo racionalismo radicais fogem à boa parte dos preceitos que costumam imperar sobre as práticas da simples interpretação de textos.

Como Guéroult e Deleuze, Matheron pratica uma leitura genética da obra de Spinoza. Contra a tendência ensaística demasiado frequente entre os intérpretes (sobretudo na época), trata-se de partir do texto e de decifrar os recursos próprios do texto para lograr elucidar o sentido do texto. As intuições subjetivas, as hipóteses aventadas a esmo, os hábitos de leitura exclusivamente consolidados pela autoridade da tradição do comentário são rechaçados.

Para Matheron, o sistema filosófico elaborado por Spinoza e a verdade descoberta aos poucos pelo seu pensamento, à medida que vem intensificando a compreensão que ele tem de si mesmo, são duas coisas distintas. O método de Matheron almeja dar voz e prioridade sistemática a este Spinoza que se torna spinozista. A verdade spinozista, isto é, o pensamento de Spinoza geneticamente compreendido e perfeitamente desenvolvido do ponto de vista da unidade orgânica, ou seja, da densidade demonstrativa, tem um valor que, para Matheron, ultrapassa, e muito, o simples interesse filológico ou histórico: tal verdade é a própria chave de decifragem da realidade.

Em virtude deste princípio geral de análise, o comentador reorganiza a estrutura fatual do texto segundo a ordem genética de suas razões e diretrizes, e não hesita em emendar demonstrações que, a seu ver, permaneceram incompletas, ou em preencher o que, de acordo com a lógica do pensamento spinozista enquanto unidade orgânica total perfeita, parece ser uma falha pontual ou uma lacuna anormal nas demonstrações efetivamente produzidas no texto. Concretamente, ao invés de explicar o texto sob a batuta de sua ordem fatual e, portanto, ao invés de partir da metafísica de Spinoza, Matheron, em nome da verdade do pensamento acabado e completo do filósofo, parte da doutrina do conatus.

A obra está disponível exclusivamente em formato digital no site da FGV Editora e demais plataformas de vendas de ebook.

Fonte: portal.fgv.br

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest

Deixe um comentário

Posts Recentes

 Ver tudo   

Ciências Sociais
ISBE FGV

Ciência de Dados e Ciências Sociais: Projeto da FGV seleciona novos bolsistas

O projeto visa a expandir as abordagens computacionais de análise de dados nas Ciências Sociais e na História. A Escola de Ciências Sociais da Fundação Getulio Vargas (FGV CPDOC) abre o ano de 2022 com o processo seletivo para concessão de seis bolsas para o projeto “Ciência de Dados nas Ciências Sociais”, referente

Leia mais »