IGP-DI sobe 3,68% em outubro, aponta FGV IBRE

Com este resultado, o índice acumula alta de 19,02% no ano e de 22,12% em 12 meses. Em outubro de 2019, o índice havia variado 0,55% e acumulava elevação de 3,29% em 12 meses

IGP-DI sobe 3,68% em outubro, aponta FGV IBRE

O Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (IGP-DI)  subiu 3,68% em outubro, percentual superior ao apurado no mês anterior, quando havia registrado taxa de 3,30%. Com este resultado, o índice acumula alta de 19,02% no ano e de 22,12% em 12 meses. Em outubro de 2019, o índice havia variado 0,55% e acumulava elevação de 3,29% em 12 meses.

“O aumento médio de 6,78% nos preços das matérias-primas brutas permanece como fonte de maior influência no IPA, índice de maior peso no IGP. O aumento dos preços de commodities importantes vem sustentando repasses na cadeia produtiva que estão contribuindo para aceleração de bens intermediários (3,21% para 4,43%) e bens finais (2,74% para 2,95%). Este movimento também influencia os preços de materiais e equipamentos para a construção civil que subiram 4,15% nesta apuração”, afirma André Braz, Coordenador dos Índices de Preços.

Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA)

O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) subiu 4,86% em outubro, ante 4,38% em setembro. Na análise por estágios de processamento, a taxa do grupo Bens Finais subiu de 2,74% em setembro para 2,95% em outubro. O principal responsável por este avanço foi o subgrupo alimentos in natura, cuja taxa passou de 2,86% para 11,05%. O índice de Bens Finais (ex), que resulta da exclusão de alimentos in natura e combustíveis para o consumo, variou 2,19% em outubro, contra 2,97% em setembro.

A taxa do grupo Bens Intermediários passou de 3,21% em setembro para 4,43% em outubro. O principal responsável por este avanço foi o subgrupo combustíveis e lubrificantes para a produção, cuja taxa passou de -4,25% para 1,77%. O índice de Bens Intermediários (ex), calculado após a exclusão de combustíveis e lubrificantes para a produção, subiu 4,78% em outubro, ante 4,30% no mês anterior.

O estágio das Matérias-Primas Brutas subiu 6,78% em outubro. Em setembro, a taxa havia sido de 6,77%. Contribuíram para o movimento da taxa do grupo os seguintes itens: soja em grão (12,88% para 15,82%), milho em grão (10,31% para 17,32%) e algodão em caroço (7,27% para 19,47%). Em sentido oposto, vale citar arroz em casca (33,06% para 2,61%), leite in natura (9,46% para 2,63%) e bovinos (8,43% para 5,43%). 

Índice de Preços ao Consumidor (IPC)

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) variou 0,65% em outubro, após subir 0,82% em setembro. Cinco das oito classes de despesa componentes do índice registraram decréscimo em suas taxas de variação: Educação, Leitura e Recreação (3,19% para 1,81%), Transportes (0,78% para 0,40%), Habitação (0,48% para 0,28%), Alimentação (1,81% para 1,69%) e Despesas Diversas (0,24% para 0,03%). Nestas classes de despesa, vale mencionar o comportamento dos itens: passagem aérea (39,62% para 16,35%), gasolina (2,13% para 0,48%), equipamentos eletrônicos (0,89% para -0,36%), laticínios (3,76% para 0,43%) e alimentos para animais domésticos (2,03% para 0,37%).

Em contrapartida, os grupos Saúde e Cuidados Pessoais (-0,53% para 0,03%), Vestuário (0,01% para 0,21%) e Comunicação (0,03% para 0,08%) apresentaram acréscimo em suas taxas de variação. Estas classes de despesa foram influenciadas pelos seguintes itens: plano e seguro de saúde (-2,40% para 0,00%), roupas (-0,03% para 0,17%) e tarifa de telefone residencial (0,39% para 1,61%).

Núcleo do IPC e Índice de Difusão

O núcleo do IPC registrou taxa de 0,17% em outubro, ante 0,22% no mês anterior. Dos 85 itens componentes do IPC, 41 foram excluídos do cálculo do núcleo. Destes, 15 apresentaram taxas abaixo de 0,00%, linha de corte inferior, e 26 registraram variações acima de 0,65%, linha de corte superior. O índice de difusão, que mede a proporção de itens com taxa de variação positiva, ficou em 62,58%, 6,13 pontos percentuais abaixo do registrado em setembro, quando o índice foi de 68,71%.

Índice Nacional de Custo da Construção (INCC)

O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) subiu 1,73% em outubro, ante 1,16% no mês anterior. Os três grupos componentes do INCC registraram as seguintes variações na passagem de setembro para outubro: Materiais e Equipamentos (3,08% para 4,15%), Serviços (0,24% para 0,27%) e Mão de Obra (0,00% para 0,26%).

Acesse o Material complementar

O estudo completo está disponível no site.

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

Posts Recentes

 Ver tudo