IGP-DI sobe 3,87% em agosto

O destaque do IGP cabe ao IPA. A inflação ao produtor se espalhou pelos três grupos do indicador.

IGP-DI sobe 3,87% em agosto

Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (IGP-DI)1 subiu 3,87% em agosto, percentual superior ao apurado no mês anterior, quando havia registrado taxa de 2,34%. Com este resultado, o índice acumula alta de 11,13% no ano e de 15,23% em 12 meses. Em agosto de 2019, o índice havia variado -0,51% e acumulava elevação de 4,32% em 12 meses.

“O destaque nesta apuração do IGP cabe ao IPA. A inflação ao produtor se espalhou pelos três grupos do indicador. Entre as matérias-primas brutas destaca-se o minério de ferro (17,11%), entre os bens intermediários, os materiais para a manufatura (3,91%) e, entre os bens finais, os alimentos processados (4,57%). Juntos esses itens responderam por 49% do resultado do IPA de agosto”, afirma André Braz, Coordenador dos Índices de Preços.

Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) subiu 5,44% em agosto, após variar 3,14% em julho. Na análise por estágios de processamento, a taxa do grupo Bens Finais passou de 0,52% em julho para 1,93% em agosto. O principal responsável por este avanço foi o subgrupo alimentos in natura, cuja taxa passou de -13,78% para -1,75%. O índice de Bens Finais (ex), que resulta da exclusão de alimentos in natura e combustíveis para o consumo, subiu 2,10% em agosto, contra 1,37% em julho.

taxa do grupo Bens Intermediários passou de 2,27% em julho para 3,39% em agosto. O principal responsável por este movimento foi o subgrupo materiais e componentes para a manufatura, cuja taxa passou de 1,13% para 3,11%. O índice de Bens Intermediários (ex), calculado após a exclusão de combustíveis e lubrificantes para a produção, subiu 2,68% em agosto, ante 1,00% no mês anterior.

O estágio das Matérias-Primas Brutas subiu 10,55% em agosto. Em julho, a taxa havia sido de 6,53%. Contribuíram para o avanço da taxa do grupo os seguintes itens: minério de ferro (9,27% para 17,11%), milho em grão (3,44% para 12,60%) e soja em grão (8,87% para 11,41%). Em sentido oposto, vale citar bovinos (7,74% para 4,90%), mandioca/aipim (1,72% para -3,22%) e aves (5,72% para 3,63%).

Índice de Preços ao Consumidor (IPC) subiu 0,53% em agosto, após variar 0,49% em julho. Três das oito classes de despesa componentes do índice registraram acréscimo em suas taxas de variação: Alimentação (0,13% para 0,81%), Educação, Leitura e Recreação (-0,60% para 0,05%) e Despesas Diversas (0,22% para 0,50%). Nestas classes de despesa, vale mencionar o comportamento dos itens: hortaliças e legumes (-11,90% para -5,30%), cursos formais (-1,54% para -0,24%) e cigarros (0,42% para 1,06%).

Em contrapartida, os grupos Transportes (1,22% para 0,80%), Habitação (0,79% para 0,54%), Comunicação (0,54% para 0,18%) e Saúde e Cuidados Pessoais (0,58% para 0,53%) 

apresentaram decréscimo em suas taxas de variação. Estas classes de despesa foram influenciadas pelos seguintes itens: gasolina (3,67% para 2,67%), tarifa de eletricidade residencial (2,32% para 1,05%), mensalidade para TV por assinatura (1,58% para 0,48%) e medicamentos em geral (0,89% para 0,35%).

Já o grupo Vestuário repetiu a taxa de julho, que foi de -0,45%. Em sentido ascendente destaca-se o item calça comprida feminina (-2,27% para -0,80%) e em sentido descendente, blusa feminina (-0,70% para -1,51%).

Núcleo do IPC e Índice de Difusão

núcleo do IPC registrou taxa de 0,19% em agosto, ante 0,26% no mês anterior. Dos 85 itens componentes do IPC, 34 foram excluídos do cálculo do núcleo. Destes, 11 apresentaram taxas abaixo de -0,16% linha de corte inferior, e 23 registraram variações acima de 0,60%, linha de corte superior. O índice de difusão, que mede a proporção de itens com taxa de variação positiva, ficou em 58,71%, 1,94 ponto percentual abaixo do registrado em julho, quando o índice foi de 60,65%.

Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) variou 0,72% em agosto, ante alta de 1,17% no mês anterior. Os três grupos componentes do INCC registraram as seguintes variações na passagem de julho para agosto: Materiais e Equipamentos (1,12% para 1,76%), Serviços (0,22% para 0,10%) e Mão de Obra (1,37% para 0,12%).

Fonte: portal.fgv.br

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest

Deixe um comentário

Posts Recentes

 Ver tudo   

Ciências Sociais
ISBE FGV

Ciência de Dados e Ciências Sociais: Projeto da FGV seleciona novos bolsistas

O projeto visa a expandir as abordagens computacionais de análise de dados nas Ciências Sociais e na História. A Escola de Ciências Sociais da Fundação Getulio Vargas (FGV CPDOC) abre o ano de 2022 com o processo seletivo para concessão de seis bolsas para o projeto “Ciência de Dados nas Ciências Sociais”, referente

Leia mais »