Novo auxílio emergencial de R$ 200 não compensará renda dos informais na pandemia, revela pesquisa

O estudo foi elaborado a partir dos dados da PNAD-COVID, com o objetivo de simular os efeitos do auxílio emergencial reduzido (R$ 200 ou R$ 250) sobre a renda dos invisíveis e informais em diferentes cenários otimista e pessimista – conforme as prováveis perdas decorrentes da pandemia

Novo auxílio emergencial de R$ 200 não compensará renda dos informais na pandemia, revela pesquisa

O governo federal estuda um novo auxílio emergencial com parcelas de R$ 200 ou R$ 250. Segundo estudo do Centro de Estudos de Microfinanças e Inclusão Financeira da Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getulio Vargas (FGVCemif), se o auxílio for no valor de R$ 200 e os números da pandemia continuarem ruins ou piorarem, as perdas dos trabalhadores “invisíveis informais” não serão compensadas pelo auxílio. Da mesma forma, em um recorte por estado, um valor de R$ 200 não compensará as perdas dos “invisíveis informais” dos estados mais ricos, tais como São Paulo e Rio de Janeiro. Se o valor for de R$ 250, as perdas são repostas, com pequenos ganhos em relação à renda antes da pandemia.

O estudo foi elaborado a partir dos dados da PNAD-COVID, com o objetivo de simular os efeitos do auxílio emergencial reduzido (R$ 200 ou R$ 250) sobre a renda dos invisíveis e informais em diferentes cenários otimista e pessimista – conforme as prováveis perdas decorrentes da pandemia. O pessimista se baseia nos dados da PNAD COVID-19 divulgadas em julho (IBGE, 2020) e o otimista, em dezembro (IBGE, 2020). Dentro de cada um dos cenários foram feitas simulações considerando um novo auxílio emergencial de R$ 200 ou R$ 250, sempre comparando a renda durante a pandemia com a renda usual pré-pandemia.

Utilizando os cenários anteriormente definidos, as três figuras seguintes mostram diversos recortes para um AE de R$ 200 – cenário pessimista (PNAD-COVID- julho 2020 – IBGE)

Novo auxílio emergencial de R$ 200 não compensará renda dos informais na pandemia, revela pesquisa
Novo auxílio emergencial de R$ 200 não compensará renda dos informais na pandemia, revela pesquisa

No caso dos invisíveis (figura 1), ao levar em consideração o auxílio emergencial, o ganho para homens é de 5% e, para as mulheres, de 11%, sempre comparado à renda usual pré-pandemia. Ao analisar especificamente os invisíveis informais, mesmo com o pagamento de um novo benefício, há uma perda de 2% para homens e um ganho de apenas 2% para mulheres. Ainda no caso de homens e mulheres invisíveis informais (figura 2), sem o auxílio as perdas de renda são de 30% e 37%, respectivamente, o que denota uma posição de maior vulnerabilidade aos efeitos da crise.

A figura 3 apresenta os dados sobre a perda/ganho de renda para invisíveis informais por Unidade Federativa (UF). Mesmo com o pagamento de um AE de R$ 200, 7 estados (todos localizados no centro-sul do país) e o Distrito Federal (DF) ainda registrariam perdas de renda. Por outro lado, 17 estados apresentam ganhos, quase todos no Norte e Nordeste do país. Portanto, há evidências de que um AE de R$ 200, em um cenário de maiores perdas por conta do recrudescimento da pandemia, é insuficiente para compensar as perdas de renda de grupos mais vulneráveis.

Novo auxílio emergencial de R$ 200 não compensará renda dos informais na pandemia, revela pesquisa

“O auxílio emergencial é fundamental nesse momento em que a evolução da pandemia é desfavorável, com a configuração de uma segunda onda, e ainda diante da lentidão na implementação de plano nacional de imunização, sobretudo pela escassez de vacinas. Neste cenário, as políticas públicas são fundamentais para mitigar os efeitos da crise para a população mais vulnerável”, explica Lauro Gonzalez, coordenador do FGVcemif e autor do estudo.

Auxílio Emergencial de R$ 250

As três próximas figuras seguem a mesma lógica de análise das figuras anteriores, ajustando o valor do auxílio emergencial para R$ 250.

Novo auxílio emergencial de R$ 200 não compensará renda dos informais na pandemia, revela pesquisa
Novo auxílio emergencial de R$ 200 não compensará renda dos informais na pandemia, revela pesquisa

A figura 4 mostra um ganho de 10% para homens e 17% para mulheres com o AE. Ao analisar especificamente os invisíveis informais (figura 5), o ganho é de 4% para os homens e de 10% para as mulheres. Já a figura 6 mostra que, mesmo com um AE de R$ 250, 6 estados e o DF registrariam perdas de renda.

Novo auxílio emergencial de R$ 200 não compensará renda dos informais na pandemia, revela pesquisa

Cenário otimista (PNAD-COVID em dezembro)

Seguindo a mesma lógica, as 3 figuras abaixo mostram a perda/ganho de renda dos invisíveis e dos invisíveis informais por gênero, considerando o pagamento de um valor fixo mensal de R$ 200, com a diferença de que o cenário reflete o momento mais favorável da pandemia.

Novo auxílio emergencial de R$ 200 não compensará renda dos informais na pandemia, revela pesquisa
Novo auxílio emergencial de R$ 200 não compensará renda dos informais na pandemia, revela pesquisa

A figura 7 mostra que, no caso dos invisíveis, o ganho para homens é de 13% e, para as mulheres, de 18%. Lembrando que as perdas e ganhos são calculadas sempre em relação à renda usual pré-pandemia. Ao analisar especificamente os invisíveis informais, na figura 8, o ganho dos homens diminui para 12%, ao passo que o ganho das mulheres permanece inalterado.

A Figura 9, abaixo, mostra a perda/ganho de renda para invisíveis informais por UF, considerando um benefício de R$ 200. Como esperado, os maiores ganhos ocorreriam nas regiões Norte e Nordeste, reflexo da desigualdade regional no país.

Novo auxílio emergencial de R$ 200 não compensará renda dos informais na pandemia, revela pesquisa

Por fim, as três próximas figuras apresentam os dados do cenário otimista, considerando um auxílio emergencial de R$ 250.

Novo auxílio emergencial de R$ 200 não compensará renda dos informais na pandemia, revela pesquisa
Novo auxílio emergencial de R$ 200 não compensará renda dos informais na pandemia, revela pesquisa

No caso dos invisíveis (figura 10), tanto para homens quanto para mulheres, o ganho de renda é 5% maior se o AE for de R$ 250, ao invés de R$ 200.  A figura 12 traz a análise de perda/ganho de renda para invisíveis informais por UF. Todos os estados e o DF apresentariam ganhos, especialmente aqueles das regiões Norte e Nordeste do país.

Novo auxílio emergencial de R$ 200 não compensará renda dos informais na pandemia, revela pesquisa

O estudo completo está disponível no site

Fonte para os gráficos: FGVcemif a partir de dados do IBGE

Fonte: portal.fgv.br

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

Posts Recentes

 Ver tudo