FGV lança relatório sobre impactos socioambientais da repavimentação da BR-319

O modal rodoviário é responsável pela maior parte dos transportes no Brasil, de modo que rodovias, em muitos casos elencadas como obras prioritárias pelo governo federal, possuem papel significativo no crescimento econômico nacional. É o caso da BR-319, rodovia com 877,40 quilômetros que conecta os municípios de Porto Velho, no Estado de Rondônia, a Manaus, no Estado do Amazonas

FGV lança relatório sobre impactos socioambientais da repavimentação da BR-319

O Centro de Direitos Humanos e Empresas (FGV CeDHE) da Escola de Direito de São Paulo (FGV Direito SP) lançou o relatório Rodovias e impactos socioambientais: o caso da BR-319. O estudo faz parte do projeto de pesquisa “Promoting Transparency and Territorial Governance in the Context of Road Development in the Brazilian Amazon: the case of BR-319”, financiado pela Gordon and Betty Moore Foundation.

O modal rodoviário é responsável pela maior parte dos transportes no Brasil, de modo que rodovias, em muitos casos elencadas como obras prioritárias pelo governo federal, possuem papel significativo no crescimento econômico nacional. É o caso da BR-319, rodovia com 877,40 quilômetros que conecta os municípios de Porto Velho, no Estado de Rondônia, a Manaus, no Estado do Amazonas. A repavimentação do chamado “trecho do meio” da BR-319, que abarca do quilômetro 250 ao quilômetro 655,7 e se tornou intrafegável ao longo dos anos por falta de manutenção e das condições climáticas locais, ganhou maior notoriedade após a sua qualificação pelo Programa de Parcerias de Investimento, responsável pelo programa de crescimento econômico vigente.

Por outro lado, em 2015, os Estados-membro da Organização das Nações Unidas (ONU) aprovaram a Agenda 2030 e os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, que consolidam o compromisso de promoção de uma infraestrutura sustentável, que reconhece e amplia a proteção aos direitos humanos e ao meio ambiente. Esse compromisso encontra respaldo nos Princípios Orientadores sobre Empresas e Direitos Humanos da ONU, que são o primeiro instrumento internacional a estabelecer que os Estados e as empresas têm responsabilidade compartilhada em relação aos direitos humanos. Ou seja, projetos de infraestrutura devem adotar uma abordagem preventiva de impactos adversos aos direitos humanos, desde o seu planejamento até sua operação.

Tanto pela extensão quanto pela sua importância da rodovia, o caso da BR-319 é relevante no contexto do estudo de impactos socioambientais de grandes empreendimentos no Brasil. O estudo do CeDHE-FGV apresenta um diagnóstico sobre se e como a proteção aos direitos humanos e ao meio ambiente foram consideradas no âmbito do projeto de repavimentação da BR-319. “O relatório traz um debate essencial sobre os impactos socioambientais de grandes projetos de infraestrutura para territórios e suas populações, tendo a Amazônia como foco dessa discussão”, diz a pesquisadora Roberta Peixoto Ramos, coordenadora do projeto na FGV Direito SP.

Acesse o relatório Rodovias e impactos socioambientais: o caso da BR-319

Fonte: portal.fgv.br

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest

Deixe um comentário

Posts Recentes

 Ver tudo   

Economia
ISBE FGV

IGP-10 sobe 1,79% em janeiro 2022

Com esse resultado, o índice acumula alta de 17,82% em 12 meses. O Índice Geral de Preços – 10 (IGP-10) subiu 1,79% em janeiro. No mês anterior,

Leia mais »