Indicadores de Emprego Previsto em patamares historicamente baixos

O cenário negativo do mercado de trabalho impacta diretamente na renda das famílias, que acabam limitando os gastos somente ao essencial. A Sondagem do Consumidor de abril e maio mostrou que mais de 80% das famílias afirmam gastar somente com o essencial

O efeito da crise motivada pela pandemia do novo coronavírus tem se tornado cada vez evidente na economia brasileira. Um dos pontos críticos do ponto de vista do bem-estar da população diz respeito às condições do mercado de trabalho. Muitas empresas com atividade dramaticamente reduzida tiveram de reduzir o quadro de pessoal para tentar aliviar a pressão financeira. O governo anunciou medidas que visavam a estancar as perdas ao oferecer crédito barato em troca da manutenção dos postos de trabalho por alguns meses.

O resultado líquido destes movimentos em sentido contrário será conhecido nos próximos meses. Por enquanto, podemos acompanhar com informações tempestivas das sondagens do FGV IBRE sobre expectativas das empresas em relação à evolução do seu quadro de pessoal alguns meses à frente, um bom indicador antecedente de emprego, principalmente do emprego formal.

O FGV IBRE calcula mensalmente o indicador de emprego previsto de quatro grandes setores da economia: indústria, serviços, comércio e construção. O indicador representa o saldo entre o percentual de empresas que esperam aumentar o quadro de pessoal ocupado nos próximos meses, descontado do percentual de empresas que planeja reduzi-lo. Ou seja, quando todas empresas da pesquisa planejam reduzir o quadro pessoal, o indicador ficaria em -100; e quando todas as empresas planejam aumentar, o indicador atinge 100 pontos.

Em abril os resultados mostraram uma piora acentuada do cenário. Como mostra o Gráfico 1, todos os setores vinham apresentando valores positivos no momento anterior à crise do Covid-19. Em abril há uma queda forte e todos os setores registram valores mínimos históricos. Em maio, os indicadores avançaram, mas, na maioria dos casos para o segundo menor valor histórico, sinalizando, portanto, continuidade da tendência de queda do total de pessoal ocupado na economia, ainda que a taxas menos negativas.

Gráfico 1 – Indicador de Emprego Previsto (em pontos e com ajuste sazonal)

Indicadores de Emprego Previsto em patamares historicamente baixos

Apesar de os grandes setores terem apresentado comportamento parecido entre eles, houve bastante heterogeneidade quando observados os dados de forma mais desagregada. Existem segmentos onde o efeito da pandemia é mais intenso e outros que estão conseguindo manter seus quadros relativamente estáveis na crise.

Destaques negativos:

Analisando a média entre abril e maio (meses em que onde o impacto da pandemia foi mais forte) é possível perceber segmentos que se encontram em patamares extremamente baixos. Na tabela 1 são apresentados dois destaques negativos de cada grande setor.

Tabela 1 – Destaques negativos (média entre abril e maio em pontos, com ajuste sazonal)

Indicadores de Emprego Previsto em patamares historicamente baixos

As medidas de isolamento social e a necessidade de fechamento de determinados estabelecimentos afetam diretamente a demanda das empresas dos setores têxtil e de vestuário, que apresentam as piores expectativas para o mercado de trabalho nos próximos meses. Os indicadores da Construção de obras viárias e de edificações não residenciais são também muito desfavoráveis. Estes segmentos sofrem com a queda forte do nível de renda, a necessidade de paralisação de obras e as perspectivas de recuperação lenta da demanda nos próximos meses.

No setor de Serviços, os indicadores mais baixos têm ligação com o setor de turismo que, por medidas de isolamento social, vem sendo bastante afetado. Serviços de alojamento e de transporte rodoviário registram indicadores próximos de -50 pontos no bimestre abril e maio. Em função dos riscos de saúde envolvidos em viagens aéreas e em aglomerações, o setor não avalia bem as perspectivas de recuperação consistente em 2020.

Os indicadores do setor Comércio são um pouco melhores (ou menos piores) mas também sofrem com a queda da demanda. Os segmentos de veículos, motos e peças e material para construção registram os mais baixos indicadores do setor.

Também é importante destacar segmentos que, apesar de ainda não estarem entre aqueles com piores perspectivas para o emprego, sofreram uma expressiva revisão de cenários nos últimos meses. Entre estes, destacam-se: obras de acabamento (Construção), serviços administrativos (Serviços) e revendedores de tecidos, vestuários e calçados (Comércio). Estes segmentos perderam pelo menos 40 pontos entre dezembro de 2019 – quando seus indicadores estavam ainda estavam positivos, acima de 10 pontos – e o bimestre abril-maio.

Destaques positivos (ou menos negativos):

Alguns segmentos, apesar dos efeitos da crise, conseguiram manter perspectivas mais positivas no período. Os principais destaques são a indústria farmacêutica, que se mantém positivo no bimestre abril-maio; e o segmento de hipermercados e supermercados, que registra -5,7 pontos no bimestre, mas com tendência positiva na ponta, já atingindo 1,9 ponto no dado pontual de maio.

Na tabela 2 também é possível perceber que até os demais segmentos positivos registram valores negativos, ou seja, o percentual de empresários planejando reduzir o quadro de pessoal é maior do que os que planejam aumentar nos próximos meses. Vale destacar que boa parte desses segmentos, com destaques menos negativos, mantiveram algum tipo de funcionamento no período, como: serviços de armazenagem e correios e outros varejistas (onde encontram-se as farmácias, por exemplo).

Tabela 2 – Destaques menos negativos (média entre abril e maio em pontos e com ajuste sazonal)

Indicadores de Emprego Previsto em patamares historicamente baixos

Os dados observados nas perspectivas sobre o quadro de pessoal ocupado nos próximos meses reforçam o cenário de elevada incerteza na recuperação da crise vivida hoje. Os segmentos mais afetados mostram que não há uma clara recuperação nos próximos meses, onde fosse possível manter o quadro atual. O cenário negativo do mercado de trabalho impacta diretamente na renda das famílias, que acabam limitando os gastos somente ao essencial. A Sondagem do Consumidor de abril e maio mostrou que mais de 80% das famílias afirmam gastar somente com o essencial.

Por outro lado, os segmentos menos afetados são mais ligados à demanda por produtos considerados essenciais nesta crise. Por isso, os produtores e revendedores de alimentos, bebidas e remédios acabam não sofrendo tanto nesse momento de crise e incerteza, e mantêm previsões mais equilibradas sobre a evolução do número de funcionários nos próximos meses.

Como o governo vem estudando a realização de ajustes no programa de sustentação do emprego, será interessante acompanhar como reagirão as empresas nos próximos meses. A situação será mais dramática para os setores que demorarão mais para retornar à situação pré-crise, para as empresas pequenas com poucos recursos para se manterem na crise e para os mercados informais. A facilitação do acesso aos programas de apoio do governo ajudará em muitos casos no horizonte de três a seis meses. Mas a evolução da crise de saúde nos próximos meses e o ritmo esperado de recuperação da economia serão fatores ainda mais determinantes para a atenuação dos efeitos deletérios da crise de saúde sobre o mercado de trabalho.

Apêndice – Resultados de abril e maio

Parcelas de respostas favoráveis e desfavoráveis (em percentual e com ajuste sazonal) e saldo em pontos:

Indicadores de Emprego Previsto em patamares historicamente baixos
Indicadores de Emprego Previsto em patamares historicamente baixos

*As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade exclusiva do(s) autor(es), não refletindo necessariamente a posição institucional da FGV.

AUTOR(ES)

  • Indicadores de Emprego Previsto em patamares historicamente baixos
  • Aloisio Campelo
  • Bacharel em Ciências Econômicas pela PUC-RJ, com Diploma em Economics for Development da Queen Mary College. MBA em Finanças Empresariais e Mestrado em Economia Empresarial pela FGV. Atualmente é economista do Instituto Brasileiro de Economia (FGV IBRE), onde coordena o departamento produtor de sondagens de tendência.
Indicadores de Emprego Previsto em patamares historicamente baixos

Rodolpho Tobler

Coordenador das Sondagens do Comércio e de Investimentos da Superintendência Adjunta para Ciclos Econômicos (FGV IBRE). Mestrando em Economia e Finanças pela Escola Brasileira de Economia e Finanças da Fundação Getulio Vargas (FGV EPGE) e bacharel em Ciências Econômicas pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (FCE/UERJ).

Fonte: portal.fgv.br

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

Posts Recentes

 Ver tudo