Monitor do PIB aponta crescimento de 0,7% da atividade econômica em maio

A economia começou, em maio, a dar sinais de que o pior momento da crise econômica ocasionada pela pandemia de COVID-19 ocorreu em abril, quando a atividade econômica recuou 9,3%, em comparação a março. Os componentes do PIB que foram mais impactados pela atual crise também mostram trajetória semelhante de queda e ascensão

Monitor do PIB aponta crescimento de 0,7% da atividade econômica em maio

Monitor do PIB-FGV aponta crescimento de 0,7% da atividade econômica em maio, na comparação com abril, na análise da série dessazonalizada. No trimestre móvel, a atividade registrou retração de 10,5%, em comparação ao trimestre móvel findo em fevereiro. Na comparação interanual a economia retraiu 13,3% em maio e 9,4% no trimestre móvel findo em maio.

“Após duas fortes retrações seguidas a economia voltou a apresentar variação positiva em maio. Da mesma forma, os principais componentes do PIB também mostram que as fortes retrações ocasionadas pelo isolamento social foram concentradas em março e abril, visto que, em maio, as três grandes atividades econômicas (agropecuária, indústria e serviços) cresceram, assim como os principais componentes da demanda (consumo das famílias e a formação bruta de capital fixo). Apesar do crescimento de 0,7% frente a abril, ainda é cedo para afirmar que este resultado indica uma retomada da economia tendo em vista que falta ainda muito para recuperar a enorme perda acumulada de 13,9% registrada nos meses de março a abril deste ano. Cabe ressaltar que a situação da economia é ainda muito frágil e mesmo com o crescimento observado em maio, a economia encontra-se em patamar 13,2% abaixo do que apresentava em fevereiro.”, afirma Claudio Considera, coordenador do Monitor do PIB-FGV.

A economia começou, em maio, a dar sinais de que o pior momento da crise econômica ocasionada pela pandemia de COVID-19 ocorreu em abril, quando a atividade econômica recuou 9,3%, em comparação a março. Os componentes do PIB que foram mais impactados pela atual crise também mostram trajetória semelhante de queda e ascensão. As atividades de outros serviços e a construção, entretanto, ainda caíram em maio, apesar de apresentarem taxas menos negativas do que as de abril (-0,9% e -1,5%, respectivamente).

Consumo das famílias

O consumo das famílias caiu 10,1% no trimestre móvel findo em maio, em comparação ao mesmo trimestre no ano anterior. O consumo de serviços explica praticamente metade dessa retração devido, principalmente, as fortes retrações no consumo de saúde privada e de alojamento e alimentação. O consumo de produtos não duráveis é o único a apresentar variação praticamente estável (-0,1%), apesar de apresentar variação negativa após dois meses consecutivos de queda na taxa mensal interanual.

Na análise mensal interanual, nota-se que todos os tipos de consumo recuaram em maio, embora o consumo de produtos semiduráveis e duráveis estejam com retrações mais acentuadas em comparação aos demais tipos de consumo. A retração de 52,8% do consumo de semiduráveis é explicada, principalmente pela queda do consumo de vestuário e calçados, enquanto a queda do consumo de duráveis é mais disseminada com recuos no consumo de automóveis, eletrodomésticos, materiais de construção e equipamentos eletrônicos em geral.

Formação bruta de capital fixo (FBCF)

A FBCF retraiu 17,1% no trimestre móvel findo em maio, em comparação ao mesmo trimestre de 2019. Pelo segundo trimestre móvel consecutivo, todos os componentes apresentaram retração embora o recuo de 30,1% de máquinas e equipamentos seja o mais expressivo. Apesar de todos os segmentos de máquinas e equipamentos tenham apresentado recuo, metade do recuo deste componente é explicada pelas retrações de automóveis, camionetas, caminhões e ônibus.

Na comparação interanual o componente de máquinas e equipamentos também foi o que apresentou o maior recuo na FBCF com retrações tanto na aquisição de máquinas e equipamentos nacionais quanto importadas.

Exportação

A exportação de bens e serviços apresentou queda de 1,3% no trimestre móvel findo em maio, em comparação com mesmo trimestre de 2019. Destaca-se o crescimento expressivo da exportação de produtos agropecuários de 33,8%, neste trimestre. Outro destaque, embora tenha sido negativo, foi o recuo de -47,8% da exportação de bens de capital.

Pelo segundo mês consecutivo, a retração da exportação (-6,6% em maio), na comparação interanual, foi reflexo da retração em todos os seus componentes à exceção da exportação de produtos agropecuários. Mais uma vez, a maior retração dentre os componentes da exportação deveu-se aos bens de capital com recuo de -58,8% no mês.

Importação

A importação retraiu 5,2% no trimestre móvel findo em maio, comparativamente ao mesmo trimestre de 2019. Embora a importação de bens de capital e intermediários, tenham contribuído positivamente neste trimestre, a forte queda de 31,7% na importação de serviços anulou o efeito positivo e explicou, em grande parte o recuo deste componente. O principal destaque na retração da importação dos serviços deve-se às viagens internacionais.

Embora a retração da importação de serviços tenha sido elevada, o que, em conjunto com as demais retrações em outros segmentos da importação explicam a retração de 10,2% da importação em maio, cabe destacar o expressivo crescimento de 84,2% na importação de bens de capital.

O estudo completo está disponível no site.

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

Posts Recentes

 Ver tudo