Estudo inédito examina o desempenho da gestão da inovação em nível de empresas

O estudo examinou a eficácia do processo de inovação em 63 empresas de cinco indústrias intensivas em tecnologia de processo e em recursos naturais no Brasil: aço, etanol, celulose e papel, mineração e petróleo.

Estudo inédito examina o desempenho da gestão da inovação em nível de empresas

Há mais de 50 anos, o Brasil está aprisionado na condição de país de renda e tecnologia média que se reflete em seu lento crescimento econômico. Nesta condição, o país encontra-se entre dois desafios: de um lado, os seus altos custos de produção limitam a sua vantagem competitiva frente a economias altamente exportadoras; de outro, o seu nível de capacidade para inovação tecnológica não é suficientemente alto para competir vantajosamente com empresas de economias avançadas no mercado global.

Pioneiro em nível internacional, o estudo liderado pelo professor Paulo N. Figueiredo, da Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas (FGV EBAPE), examinou a eficácia do processo de inovação em 63 empresas de cinco indústrias intensivas em tecnologia de processo e em recursos naturais no Brasil: aço, etanol, celulose e papel, mineração e petróleo. Essas empresas e indústrias representam um faturamento aproximado de 180 bilhões de dólares, cerca de 40% das exportações do Brasil e mais de 30% do valor adicionado na indústria brasileira.

Nesse conjunto relevante de empresas, a pesquisa examinou, ao longo de 10 anos, a relação entre os insumos (inputs) para inovação (acumulação de níveis de capacidade para inovação tecnológica e mecanismos de aquisição externa e interna de conhecimento para inovação) e os resultados (outputs) do processo de inovação (inovações implementadas, aumento de produtividade do trabalho e desempenho exportador). Foi encontrado:

Com relação aos insumos (inputs) para o processo de inovação:

  • – 70% das empresas estudadas acumularam capacidades tecnológicas até o Nível 3 (capacidade para inovação intermediária);
  • – 22% das empresas atingiram o Nível 4 de capacidade tecnológica (ou seja, são seguidores rápidos de líderes globais);
  • – 8% das empresas atingiram o Nível 5 de capacidade tecnológica (ou seja, são capazes de implementar inovações em nível de liderança internacional);
  • – Foram examinados os fatores que dificultam a transição de empresas do Nível 4 para o Nível 5 de capacidade para inovação tecnológica, especialmente a formação de base organizacional para inovação.

O estudo encontrou uma relação positiva e significativa entre a acumulação de níveis de capacidade para inovação tecnológica e o uso de mecanismos para aquisição externa e geração interna de conhecimento para inovação. Especificamente:

  •  Uso de mecanismos para geração interna de conhecimento contribuiu para um aumento de 31% no nível de capacidade para inovação tecnológica;
  • – Parcerias baseadas em pesquisa e desenvolvimento (P&D) entre as empresas e universidades e institutos de pesquisa contribuíram para um aumento de 30% no nível de capacidade para inovação; mais especificamente:
  • – A aquisição de conhecimento codificado e as interações com universidades baseadas em treinamento, educação formal e assistência técnica foram mais importantes para as empresas elevarem a capacidade para inovação tecnológica de Nível 2 para o 3.
  • – Já as parcerias baseadas em P&D com universidades e institutos de pesquisa foram mais importantes para a acumulação e sustentação de Níveis 4 e 5 de capacidades para inovação tecnológica.

Com relação aos resultados do processo de inovação (outputs) o estudo encontrou: 

  • – Implementação de um espectro de atividades inovadoras desde adaptações de tecnologias existentes, inovações baseadas em design e engenharia até os mais avançados níveis de P&D nas empresas que acumularam níveis progressivamente mais altos de capacidade tecnológica.
  • – Aumento médio de 55% na produtividade nas empresas menos produtivas, associado à acumulação de níveis de capacidade tecnológica além do nível básico (Nível 2).
  • – Aumento médio de 38% na produtividade nas empresas mais produtivas, associado ao aumento do nível de capacidade tecnológica do Nível 3 para o 4.
  • – Aumento médio de 37% no desempenho exportador nas empresas menos exportadoras, associado à acumulação de níveis de capacidade tecnológica para inovação além do básico (Nível 2).
  • – Aumento médio de 52% no desempenho exportador nas empresas mais exportadoras, associado à acumulação de capacidade para inovação tecnológica além do Nível 3.
  • Portanto, o estudo demonstra como os esforços eficazes de acumulação de capacidade para inovação tecnológica geram benefícios em termos de aumento de produtividade do trabalho e desempenho exportador em nível de empresas.

Segundo o coordenador do estudo, Paulo N. Figueiredo: “O Brasil precisa urgentemente aumentar sua taxa de inovação para agregar valor à economia e acelerar seu crescimento econômico. Isto depende, em grandíssima parte, do aumento da eficácia do processo de inovação nas empresas, o que implica gerar e gerir capacidades tecnológicas para promover e obter valor da inovação. Os esforços empresariais e as políticas públicas precisam convergir nessa direção”. E complementou: “Buscando conectar-se com as demandas e questões prementes das cinco indústrias estudadas, grande parte do desenho deste estudo emergiu a partir da interação direta com dirigentes das empresas e demais organizações do ecossistema dessas indústrias”. 

Para ler uma das publicações do estudo  acesse o site.

Fonte: portal.fgv.br

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest

Deixe um comentário

Posts Recentes

 Ver tudo   

Ciências Sociais
ISBE FGV

Ciência de Dados e Ciências Sociais: Projeto da FGV seleciona novos bolsistas

O projeto visa a expandir as abordagens computacionais de análise de dados nas Ciências Sociais e na História. A Escola de Ciências Sociais da Fundação Getulio Vargas (FGV CPDOC) abre o ano de 2022 com o processo seletivo para concessão de seis bolsas para o projeto “Ciência de Dados nas Ciências Sociais”, referente

Leia mais »