Barômetros Globais sinalizam crescimento mais lento no segundo semestre de 2021

O Barômetro Econômico Global Coincidente recua 6,3 pontos em setembro, para 111,8 pontos.

Barômetros Globais sinalizam crescimento mais lento no segundo semestre de 2021

Em setembro, os Barômetros Econômicos Globais mantêm a tendência de enfraquecimento iniciada em julho, refletindo a desaceleração do crescimento econômico mundial no segundo semestre de 2021. Apesar da queda, os níveis dos indicadores continuam elevados e compatíveis com a continuidade da atual fase de retomada da economia mundial.

O Barômetro Econômico Global Coincidente recua 6,3 pontos em setembro, para 111,8 pontos. O Barômetro Econômico Global Antecedente recua 7,2 pontos, para 105,1 pontos. Todas as regiões pesquisadas evoluem de forma negativa no mês, com quedas mais acentuadas na região da Ásia, Pacífico & África, para o Coincidente e Europa, para o Antecedente.

“A retomada do nível de atividade em relação ao período mais severo da pandemia vem ocorrendo na esteira do avanço da imunização e do relaxamento das restrições de mobilidade. No entanto, essa retomada vem ocorrendo em meio à persistência de problemas relacionados às cadeias de suprimentos de diversas matérias primas, transformando parte do aumento da demanda em elevação de preços ao longo de todas as regiões e setores. As desacelerações observadas nos barômetros coincidente e antecedente refletem as questões ligadas a essas restrições de oferta, e às alternativas de política econômica para lidar com aumentos generalizados de preços”, avalia Paulo Picchetti, pesquisador do FGV IBRE.

Barômetro Coincidente – Indicadores de regiões e setores

A região da Ásia, Pacífico & África contribui com a maior parcela (3,9 pontos), para a queda do Barômetro Global Coincidente, seguida pela Europa e Hemisfério Ocidental, com contribuições negativas de 1,3 e 1,1 ponto, respectivamente. Todas as regiões ainda registram indicadores acima do nível médio histórico de 100 pontos. O gráfico no Press Release ilustra a contribuição de cada região para a distância do Barômetro Coincidente em relação aos 100 pontos. 

Todos os cinco setores monitorados pela pesquisa contribuem de forma negativa para o resultado agregado do Barômetro Coincidente em setembro. O indicador que mede a evolução das economias em nível agregado (Economia) exerce a maior contribuição para a queda no mês, seguido da Indústria e do Comércio. Os demais setores contribuíram modestamente para o resultado. O indicador do Setor de Serviços recuou pela terceira vez consecutiva, agora em menor ritmo, mas ainda registra o maior nível entre os setores. 

Barômetro Antecedente – Indicadores de regiões e setores

O Barômetro Global Antecedente antecipa os ciclos das taxas de crescimento mundial em três a seis meses. Os indicadores antecedentes das três regiões contribuem de forma negativa para o resultado do Barômetro Antecedente em setembro. A região da Europa contribui negativamente com 3,6 pontos para a queda, seguida da Ásia, Pacífico & África com -2,3 pontos e do Hemisfério Ocidental com -1,2 ponto. A Europa, que no mês passado era a região mais otimista, passa a ser a primeira região a convergir para a neutralidade, ao registrar 99,9 pontos. As demais regiões se mantêm acima dos 100 pontos. 

Houve queda dos indicadores antecedentes setoriais em setembro, com maiores contribuições para o resultado agregado vindo da Indústria e do indicador que mede a evolução das economias em nível agregado (Economia). Os demais setores contribuíram modestamente para o resultado final. Com as quedas no mês, a Economia registra nível inferior ao de 100 pontos pela primeira vez desde julho de 2020, mas os setores Construção, Serviços e o Comércio continuam registrando níveis que refletem otimismo no curto prazo. 

Para ter acesso a mais informações acesse o link.

Fonte: portal.fgv.br

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest

Deixe um comentário

Posts Recentes

 Ver tudo   

Economia
ISBE FGV

IGP-10 sobe 1,79% em janeiro 2022

Com esse resultado, o índice acumula alta de 17,82% em 12 meses. O Índice Geral de Preços – 10 (IGP-10) subiu 1,79% em janeiro. No mês anterior,

Leia mais »